segunda-feira, 29 de junho de 2009

Profissão infância

Pindaúva, 268. Moradia do formigário, das batidas na parede do quarto e dos bilhetes trocados por cima do muro. A excitação do aguardar o que vinha escrito nos bilhetes só não ganhava do incômodo daquela que via suas roupas limpas receberem a mais pura sujeira acumulada. O incômodo era imperceptível quando rindo brincava-se de desenhar com o azeite no prato de sopa batida...Hummm....o cheiro da sopa!! O cardápio era variado, pois quem se esquece do milho que era raspado no prato quadrado e verde?! E o bolo com recheio de geléia assado no mais tecnológico dos fornos a lâmpada? Às vezes o susto era tamanho que somente um prato de biscoitos de nata em formato de coração para amenizar...Mas, na Pindaúva, 268, não havia apenas travessuras culinárias, havia as festas temáticas com direito ao Fashion Week anos 80! Juntamente com a pêra sorridente encontrava-se o vestido emprestado da prima! Ícone dos anos 80, não? Não era surpreendente as "janelinhas" nos sorrisos de quem desfilava os modelos ( e os telhados e travesseiros aguardavam ansiosos as fadinhas dos dentes!!)...Com dentes a menos, diversão garantida mesmo era ignorar o irmão mais novo nas brincadeiras. Ah, que delícia a superioridade das irmãs mais velhas! Sempre que possível ali estavam, fosse no murinho da frente ou no quintal dos fundos. E que tal uma passagem secreta no porão? Ah, pai, vai, deixa, vai!! Ao menos iríam economizar na conta de telefone, ué! Pois horas montando o mundo da Barbie não eram suficientes, seriam preciso inúmeras geladeiras, salas, copas...Afinal, o local era o que menos importava: os degraus da Cidade Universitária bastavam. As profissões também podiam se diversificar, desenhar a arquitetura do Barbie World ou atuar como detetives profissionais? O escritório podia ser na janela do quarto da frente e o investigado, o vizinho da frente, não havia problemas, apenas registros nas páginas de agendas que mal fechavam. Mas, o que realmente não fecham são os dias e horas sabiamente aproveitados pelas modelos que de biquínis brincavam de lojinha. Hoje a moda pode ser do ano 2000, a cozinheira dos biscoitos pode não mais cozinhas frequentar, a superioridade das irmãs mais velhas pode ter se perdido frente a altura dos caçulas, a sopa pode não ter mais o azeite, mas as lembranças ainda têm o cheiro da Pindaúva, 268.

2 comentários:

Rafaela disse...

Nossa Bry, fiquei até emocionada ao ler o texto e as cenas apareceram em minha memória como se fosse ontem... e isso faz no mínimo uns 15 anos... nossa que gostoso e quantas coisas fazíamos e tudo foi deliciosamente bem aproveitado! Espero que nossas filhas (que um dia teremos) sejam amigas e possam desfrutar de alguma coisa parecida com as que passamos juntas! E mesmo não tendo mais tanto contato como antes, as lembranças permanecem na memória e nunca serão apagadas, até pq nunca mais poderemos passar por essas coisas! Ôh delícia de época... só de pensar que o alvo de nossas espionagens depois de um tempo acabou virando meu namorado!! ahahah quanta coisa!!!
Adorei amiga!!!
bjos a vizinha do outro lado do muro!

sueli disse...

Querida como sempre maravilhoso, e eu também me reportei para a Rua Pindaúva, também tenho lindas lembranças dessa casa, principalmente dos imperdíveis aniversários temáticos que sua mãe tão bem pilotava com aquela criatividade de dar inveja.
Um Beijo, não deixe de escrever seus textos.